2013 é do Phonopop e do Pierrot Lunar

phonopop_film

O ano acaba com dois discos alternando-se incessantemente no som do meu carro, o lugar onde mais escuto música ultimamente. Não poderia ser diferente no ano em que duas das mais importantes bandas para mim lançaram novos trabalhos: Phonopop e Pierrot Lunar. Esses dois grupos de Brasília são influências fundamentais, responsáveis por muita coisa que consegui criar.

Eu preciso dizer: certamente, eu não teria feito músicas como ‘Meus olhos’, ‘O tempo contra nós’ ou ‘Isadora’ se não existisse o Phonopop. Era o começo dos anos 2000, e eu fazia parte do Beto Só e os Solitários Incríveis. Estava bem feliz com o que vínhamos fazendo na banda e me orgulhava das minhas composições. Deixava a modéstia de lado e gostava a valer das letras que escrevia. Foi então que chegou às minhas mãos uma demo do Phonopop com quatro músicas. Ao ouvir ‘Goodbye’, fiquei muito impressionado e, mesmo que tentasse ignorar o sentimento, percebi na hora que aparecia na cidade uma banda muito melhor que a minha.

A banda era o novo projeto de Fernando Brasil, que depois se tornou meu amigo e parceiro. E o que ele me ensinou com sua música é que devemos ser “caçadores de melodias”, um título dado de forma muito feliz ao Fernando pelo Bernardo Scartezini, em uma matéria no Correio Braziliense. Por mais que eu fizesse letras legais e bem sacadas, eu havia menosprezado até aquele momento a importância da melodia nas canções. Sim, eu sei que é absurdo, mas era o que eu fazia até finalmente perceber que o Fernando era um compositor muito melhor que eu por ter apreço pelas melodias.

Hoje – não é falsa modéstia –, acho que não alcancei a capacidade do cara de criar belas canções, mas a vontade de me equiparar a ele me ajudou muito a crescer como compositor e fazer algumas coisas de que gosto muito. No segundo disco da banda, Film, Fernando reaparece como um mestre da canção. ‘Polaroides’, ‘Ninguém’, ‘Saturno’ e ‘Auto-retrato’ são a prova disso. Todas elas, músicas que adoraria ter feito. O disco completo está aqui, e, abaixo, você já ouve ‘Polaroides’.

pierrot lunar passagem secretaQuanto ao Pierrot Lunar, basta olhar o nome dos integrantes no encarte do disco e ver que sempre quis ter um pouco deles na minha música. Quando os Solitários Incríveis acabaram e fui montar uma banda para me acompanhar no projeto solo, chamei de cara o Mateus Baeta e o Gustavo Falleiros, respectivamente baixista e guitarrista/vocalista do Pierrot. O Gustavo não continuou no projeto, mas o Mateus gravou o meu primeiro disco e ajudou muito na criação do segundo. Além disso, o outro guitarrista do Pierrot, o Bruno Sres, foi mais que fundamental para a realização do meu segundo disco. É dele várias guitarras incríveis que estão ali.

O Pierrot Lunar é pra mim a mistura perfeita de sofisticação, inteligência e emoção em uma banda pop brasileira. Eu, sinceramente, me pergunto como caras obviamente mais cools e cultos que eu podem ter tocado comigo e dizerem que gostam do meu trabalho. No disco que ele lançaram este ano, o ‘Passagem secreta’ (álbum que sozinho justifica a existência do estúdio do Gustavo Bill, o Macaco Malvado), eles misturam sambas, MPB torta e rock garageiro com uma capacidade de dar inveja. O disco me emociona muito por causa de músicas como ‘Alegrias inéditas’ (“Basta coragem pra deixar o passado / Basta coragem pra seguir adiante / Basta coragem para o próximo passo”) e a delicada ‘Depois’ (É todo o mundo que desperta, amor, quando seus braços buscam um abraço meu”), que você ouve abaixo. O disco todo pode ser conferido aqui.

Anúncios

0 Responses to “2013 é do Phonopop e do Pierrot Lunar”



  1. Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




Contato

humberto.rezende@gmail.com

Comprar CDs

Clique para baixar o CD (.zip)

Twitter

Instagram

Papai. Faria 83 anos hoje. Saudades. 1996. Casa. #architecture

Arquivo


%d blogueiros gostam disto: