Gatilhos criativos – ‘Lançando sinais’

Mais uma da série gatilhos criativos. Lembro que depois de ler o trecho abaixo de Oceano Mar, de Alessando Baricco, ficquei com muita vontade de fazer uma música. Era 2004, e o resultado foi ‘Lançando sinais’, a música que deu nome ao meu primeiro disco, lançado no ano seguinte.

“Terminada a carta, Bartleboom guarda-a dentro do envelope e se estica até debaixo da cama, para pegar uma  pequena caixa de madeira. Abre-a e joga a carta lá dentro, onde estão muitas outras cartas escritas por ele, igualmente abertas e sem remetente. São cartas de toda a sua vida endereçadas à mulher de sua vida, a qual espera encontrar em breve. Ele ainda não a conhece, mas tem certeza de que um dia a encontrará, e quando isso acontecer ele pegará sua caixa de cartas e dirá: “Olá. Isto é pra você. Esperei por você minha vida inteira”. Ela então abrirá a caixa, lerá todas as cartas e, surpresa com toda aquela vida que ali surge diante de seus olhos, dirá:

– Você é louco.

E o amará para sempre.”

A música ficou assim:

Lançando sinais

Onde está?
Onde mora você?
Aonde vai quando sai?
Eu não sei

Qual o seu nome?
Qual a cor do seu corpo?
Quantos anos tem?
Eu não sei

Lanço sinais
Lanço sinais
Até o dia de te encontrar

Se vai gostar
Se vai sorrir
Se vai dizer coisas boas
Isso eu sei

Só não me perca
Porque você não me vê

Anúncios

0 Responses to “Gatilhos criativos – ‘Lançando sinais’”



  1. Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




Contato

humberto.rezende@gmail.com

Comprar CDs

Clique para baixar o CD (.zip)

Twitter

Instagram

Papai. Faria 83 anos hoje. Saudades. 1996. Casa. #architecture

Arquivo


%d blogueiros gostam disto: