Um mantra: a música como fim

Dia desses me chamaram de derrotado. Foi no meio de um debate, uma argumentação acalorada sobre o que nós, músicos independentes, podemos fazer para conquistar mais público. A pessoa que conversava comigo queria agir, “tomar o destino nas mãos”, tocar para milhares de pessoas, e acho que imaginou que teria em mim um aliado. Mas meu discurso de que não vejo muito mais o que fazer além de tentar compor as melhores músicas que sou capaz e apresentá-las da melhor maneira possível, dentro das minhas limitações, a incomodou. Afinal, lá pelas tantas, veio a cacetada: “Você é um derrotado, Beto!”

Não vou dizer que não doeu. É difícil se desapegar verdadeiramente da necessidade de ser considerado um vencedor. Ser chamado de loser, big L, assim, na cara dura, não é moleza. Mas me surpreendi reagindo bastante bem. Senti o golpe, é claro, mas não a ponto de dobrar meus joelhos. Continuei firme nas minhas convicções, tentando explicar que minhas crenças servem muito bem a mim, mas que não acho que todos devem agir como eu. Há muitos rumos a seguir no meio musical. Cada um toma o caminho que acreditar ser melhor. E, se me lembro bem, não xinguei de volta.
O papo, porém, ficou longe de ser uma mera briga. Serviu bastante para refletir. Inclusive, agradeci à pessoa pela conversa, que foi, na maior parte da noite, muito rica e interessante. Dias depois, certamente motivado pelo encontro, me peguei pensando muito sobre o que é meio e o que é fim para mim. E percebi que durante muito tempo, desde o comecinho, aos 12 anos, a música era só um meio. Meio de, um dia, ser amado, ser igual ao Renato Russo. Meio de me sentir o maioral, idolatrado por milhares de fãs. Meio de ter mais autoestima. Meio, no fim das contas, de ser um vencedor.
Aprender a fazer canções, montar bandas, organizar shows, gravar demos, tudo isso era um meio de chegar ao sucesso. Mas o sucesso não veio, como normalmente não vem. Da mesma forma como normalmente não ganhamos na Mega-Sena. E com isso, veio a revolta, a inveja, a indignação. Eu me achava bom, melhor do que muitos que faziam sucesso. Um injustiçado.
Estranhamente, porém, ao contrário do que fiz em outros projetos, não desisti de tocar, de compor, de montar bandas. Comecei a ver que, de alguma forma, a música era necessária pra mim. Não interessava quão grande era a frustração, não pensava em parar. E um dia recebi uma lição maravilhosa. Do melhor tipo, que são essas que a pessoa te dá sem nem perceber que tá te ensinando algo.
Foi num ensaio dos Solitários Incríveis, quando caímos numa discussão sobre se a banda estava dando certo ou não. Minha análise tendia a ser direcionada para fatores objetivos, como quantos shows havíamos dado naquele ano, a recepção da crítica à demo, o convite para tocar nesse ou naquele festival. E daí o Txotxa, com toda sua simplicidade, mandou: “Claro que a banda tá dando certo, a gente tá tocando tão bem juntos, fazendo músicas boas. Pra mim, o melhor jeito de saber se uma banda está dando certo é olhando se ela está fazendo música bem”.
Calei. Deixei os outros falarem e comecei a mudar ali minha maneira de ver as coisas. Hoje, sei que o que o Txotxa me apresentou naquele instante foi a percepção de que a música deve ser, antes de um meio, o fim. Tocamos porque queremos fazer música boa. Esse é o objetivo.
Ver a música como fim não elimina, é claro, a possibilidade de ela ser meio para infinitas coisas. Mas ela nunca pode perder seu posto principal de “fim”. E foi esse aprendizado que me possibilitou não partir pras agressões mais baixas quando fui chamado de derrotado por alguém que acabara de conhecer. Porque essa noção me dá a certeza de que, se a música é o fim, não posso estar derrotado. Como estaria derrotado se acabo de compor, em parceria com o Ju e a ajuda preciosa do Ataide, a melhor música que já fiz? Como, se essa música me encheu de vontade de concluir logo o repertório do terceiro disco para gravá-lo? Se estou melhorando, como posso já estar derrotado?
Sei que para muitos sou mesmo um derrotado. Sei que muitos se perguntam por que eu simplesmente não desisto, já que depois de todo esse tempo só há 190 membros na comunidade “Beto Só” do Orkut. Não digo que mais reconhecimento não me me deixaria feliz. Claro que deixaria. Mas não é essa a questão. O importante é que, apesar da pressão de sermos vencedores, não podemos esquecer que o “fim” é a música. E nesse aspecto, estou cada vez mais satisfeito. Apesar de alguns dizerem que estou cada vez pior, tenho convicção de que estou cada vez melhor. Por isso, não paro. Por isso, não sou um derrotado.
Anúncios

8 Responses to “Um mantra: a música como fim”


  1. 1 De Inverno 06/11/2009 às 10:56

    >perfeito. as pessoas deviam entender que música não é uma competição olímpica. mais rápido, mais alto, mais forte, mais popular. ou como diriam os piratas do tietê, "a gente faz só pelo prazer estético!" rsabs Ivan

  2. 2 giancarlo rufatto 08/11/2009 às 15:19

    >se vc for, somos todos hahahha.

  3. 3 Junior Bellé 10/11/2009 às 16:52

    >Rapaz, essa pessoa te botou pra refletir de verdade, hein. Vejamos, eu acho que sua música é bem bacana, já te disse isso e, inclusive, acrescentei que é uma trilha sonora foda para um pós-pé-na-bunda-foça-profunda. Seria também bem aceita num filme sobre losers, com roteiro escrito pelo Talese (mestre em perfilar esses sujeitos) e dirigido sei lá por quem. Então, acho que por tudo isso, você está certo. Nada de derrotismo, pois.

  4. 4 F. Pop 10/02/2010 às 09:29

    >Tô contigo, Betão.

  5. 5 Elvis L 28/02/2010 às 01:46

    >Descobri seu disco por acaso. Folheava uma revista, A rolling Stones se não me engano, e lá vi um texto sobre seu disco " Dias Mais Tranquilos". Fiquei super curioso e fui atrás pra ouvi-lo. Fiquei realmente surpreso com o que ouvi. Surpreso com as letras, com a banda, os arranjos vigorosos. Muito bom!A partir dali fui atrás das outras coisas, e percebi que tinha encontrado um músico realmente preocupado em fazer música de qualidade, que não se nortei por modismos ou outros apelos do mercado. Mostrei para outras pessoas que gostam de música e elas também gostaram. Agora, depois de ler seu texto, pensei em outros artistas que também passaram por isso, mas que acreditaram no que tinha pra falar, pra mostrar, acreditaram na sua própria verdade e deixaram os detratores falando sozinho. Sei que você sabe que está no caminho certo, porque está trilhando o "seu caminho".Boa Sorte e muitos bons frutos pra você.Abraço,Elvis

  6. 6 Beto Só 12/03/2010 às 23:25

    >Muito obrigado, Elvis!Valeu, Fabão.

  7. 7 Gabriela 19/04/2010 às 11:22

    >Beto, que saudade! Adorei o post. Fiquei puta com esse cara, mas, muito mais, com vontade de te dizer que acho que você chegou lá, no centrinho do que eu concebo como uma vida livre e possível, essa sim, de realmente ser boa (no meio e no fim). Se há algo a se "vencer", pra mim, é isso. Eu sabia, sempre soube, que esse tipo de sucesso era pra você (os outros são, mesmo, detalhe e diversão). Mil beijos, Bia

  8. 8 Beto Só 26/04/2010 às 00:42

    >Bia, que saudade. Adorei sua visita aqui. Um beijo grande. 🙂


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




Contato

humberto.rezende@gmail.com

Comprar CDs

Clique para baixar o CD (.zip)

Twitter

Instagram

Meu carrinho de autorama. #AyrtonSenna #toleman Tempo. Boa noite. Sem filtro, com exceção do Juno. Beijos.

Arquivo


%d blogueiros gostam disto: